Textos

Quem são os ouvintes do História FM? Resultado da pesquisa

No fim de 2020 eu divulguei pelas redes sociais do Leitura ObrigaHISTÓRIA – e no episódio 47 do História FM – uma pesquisa destinada ao público do podcast com o objetivo de conhecer melhor nossos ouvintes. Esse conhecimento é de extrema importância para nós que produzimos conteúdo, uma vez que entender quem são os ouvintes pode ajudar a direcionar aspectos da produção. Além do mais, facilitam nossa vida nos fornecendo dados para Media Kits e negociações sobre patrocínios. Alguns dados me são acessíveis através do Anchor, serviço que uso para postar os episódios e, a partir dali, distribuir para outras plataformas.

Algumas perguntas da pesquisa foram voltadas exclusivamente para estudantes, e outras exclusivamente para professores. Algumas poucas perguntas da pesquisa foram voltadas para respostas por escrito, relatando experiências, e nesses casos não é possível quantificar em dados. Selecionei alguns dos comentários que julguei mais interessantes tanto por parte de estudantes quanto de professores, mas os deixei para o final do texto.

Eis que a pesquisa foi encerrada, e agora além dos dados do Anchor, temos dados mais específicos sobre outros pontos, os quais compartilho a seguir. No entanto, é importante citar que os dados do Anchor contemplam todos os ouvintes, enquanto os da pesquisa contemplam apenas aqueles que quiseram responde-la, um número total de 930 respostas. Primeiramente vamos aos dados fornecidos pelo Anchor.


PAÍSES

Brasil – 95%
Portugal – 1%
Estados Unidos – menos de 1%
Japão – menos de 1%
Alemanha – menos de 1%

Já era de se supor que o Brasil seria o país com a maior porcentagem de ouvintes, e com exceção de Portugal com 1%, os demais não têm sequer 1% dos ouvintes. Logo, o Anchor não me permite ver a porcentagem exata, então optei por fazer apenas o top 5.


ESTADOS

Os dez estados com mais ouvintes do História FM são:

São Paulo 32%
Rio de Janeiro 12%
Minas Gerais 9%
Paraná 6%
Rio Grande do Sul 5%
Santa Catarina 4%
Distrito Federal 4%
Ceará 4%
Bahia 3%
Pernambuco 3%

Todos os outros estados da federação constam com 1% ou menos de ouvintes.


PLATAFORMAS

A respeito de quantos por cento de ouvintes ouvem o podcast em cada plataforma, o resultado é

Spotify 62%
Apple Podcasts 13%
Podcast Addict 7%
CastBox 6%
Outros 13%

O resultado em questão é um demonstrativo de que a estratégia do Spotify de tentar se tornar a plataforma de podcasts mais ouvida do mundo está dando certo, ao menos no Brasil, uma vez que no caso do História FM ela, sozinha, ultrapassa todas as outras plataformas combinadas. Basta torcer para que essa predominância não dê poder suficiente à empresa sueca para começar a tomar atitudes prejudiciais aos produtores de conteúdo – que, no Brasil, não são monetizados, diga-se de passagem – como ocorreu diversas vezes e ainda ocorre com o YouTube. Tendo experiência em ambas as plataformas, posso atestar que o YouTube pode ser uma tremenda dor de cabeça às vezes.


GÊNERO

Masculino 69%
Feminino 28%
Não especificado 3%
Não-binário 0%

Esses dados podem nos levar a conclusões muito distintas. Uma hipótese, por exemplo, poderia ser a falta de identificação do público feminino pelo fato de a maioria dos episódios ter contado com convidados homens. No entanto, os dados que temos do canal no YouTube do Leitura ObrigaHISTÓRIA são muito parecidos, mesmo tendo dois quadros apresentados por mulheres e um deles sendo especificamente voltado a falar sobre mulheres na História. No YouTube, em todos os anos de atividade, 33,3% do público era feminino, enquanto 66,7% deles foi masculino.

O que explicaria essa discrepância? Uma hipótese – que faz sentido para o podcast, mas não necessariamente para o YouTube – pode ser o fato de que durante anos, a podosfera foi majoritariamente masculina, e se por um lado isso se mantém, por outro lado esse desnível vem caindo nos últimos anos, como mostram as pesquisas da Associação Brasileira de Podcasts, a AbPod. Logo, não seria apenas uma questão cuja resposta se encontra no História FM em si, mas no ambiente do podcast como mídia.


IDADE

0-17 anos – 1%
18-22 anos – 20%
23-27 anos – 26%
28-34 anos – 28%
35-44 anos – 17%
45-59 anos – 6%
+ de 60 anos – 2%

Embora eu sempre tivesse a noção de que o conteúdo que faço era voltado para um público mais adulto e com um formato e linguagem pouco engajante para pessoas mais jovens, considero surpreendente que apenas 1% do público do podcast tenha menos de 18 anos, e que tenhamos o dobro de ouvintes com mais de 60 anos, a despeito da crença relativamente comum de que o público mais velho, em geral, ainda não sabe o que é um podcast. Já entre o público entre os 18 e 44 anos, as porcentagens são muito bem distribuídas.

Agora sim, vamos aos dados da pesquisa que realizamos com o público.


ESCOLARIDADE

Ensino superior completo, sem pós – 35,5%
Ensino superior incompleto – 34,2%
Ensino superior completo e mestrado em andamento – 8%
Ensino superior e mestrado completo, sem doutorado – 5,8%
Ensino médio completo + cursos técnicos – 3,5%
Ensino médio incompleto ou em andamento – 3,5%
Ensino superior, mestrado e doutorado em andamento – 3,3%
Doutorado – 2,6%
Ensino médio completo, não estudei mais depois disso – 2,3%
Pós-doutorado em andamento – 0,4%
Pós-doutorado completo – 0,4%
Ensino fundamental incompleto ou em andamento – 0,4%
Ensino fundamental completo, não fiz Ensino Médio – 0%

Em um resultado previsível, pudemos constatar que a maioria esmagadora dos ouvintes do História FM são, em geral, graduandos ou graduados nos mais diferentes cursos, enquanto pessoas com alta qualificação ou ainda no Ensino Fundamental e médio se identificam menos com o conteúdo produzido no podcast.


FORMAÇÃO SUPERIOR

Sou de outra área fora das Ciências Humanas – 22,9%
Faço graduação em História – 19,9%
Sou formado(a) em outra área das Ciências Humanas – 15,5%
Sou formado(a) em História – 14,7%
Não fiz ensino superior – 10,1%
Faço graduação em outra área das Ciências Humanas – 9,5%
Sou mestre(a) em História – 2,4%
Sou mestre(a) em outra área das Ciências Humanas – 2,4%
Sou doutor(a) em História – 1,2%
Sou doutor(a) em outra área das Ciências Humanas – 1%
Sou professor de outra área das Ciências Humanas no Ensino Superior – 0,4%

Embora o maior nicho de público seja de fora do curso de História (mais de 60%, somando todas as respostas que indicam isso) é perceptível que há uma divisão não tão discrepante entre o público de dentro e de fora da área de História. Embora a maioria dos ouvintes não seja da área, é possível afirmar que o programa ainda é majoritariamente de interesse do público de História, levando em consideração o alcance relativamente elevado do História FM faz com que essa porcentagem de ouvintes da área de História seja significativa.


ESCOLARIDADE (sobre ter estudado em escolas públicas ou particulares)

38,4% Estudou em ambas
37,9% Estudou apenas em escolas públicas
23,7% Estudou apenas em escolas particulares

O dado em questão demonstra que, como esperado, o perfil do público do podcast tem um razoável número de ouvintes com acesso a Escolas Particulares, indicando que uma parcela significativa possivelmente é classificada como de classe média.


COMO VOCÊ CONHECEU O HISTÓRIA FM?

Pelo canal do Leitura ObrigaHISTÓRIA – 55,1%
Pelas redes sociais do Leitura ObrigaHISTÓRIA, que já conhecia – 9,1%
Esbarrei com ele nas redes sociais via compartilhamento de terceiros – 9%
Procurando por algum conteúdo relacionado ao tema de algum episódio – 7,3%
Conheci por algum canal do YouTube – 6,3%
Apareceu como recomendação em um app de podcasts – 4,2%
Amigos(as) e/ou conhecidos(as) recomendaram ouvir – 3,7%
Ouvi a participação do Icles em outro podcast – 2%
Foi recomendado por professor ou professora do(a) qual sou aluno(a) – 0,8%

Sempre fiz questão de dizer a todos e todas que o sucesso do História FM, embora modesto, não pode ser explicado sem a existência prévia do canal no YouTube, e a pesquisa prova isso uma vez mais, levando em conta que as duas opções mais votadas estão diretamente relacionadas a ele, e a terceira indiretamente relacionada. Vale citar que essa pergunta oferecia também a opção “Outros”, e algumas respostas diferentes foram dadas. Contudo, o número dessas respostas foi inexpressivo demais para ser citado. Entre as respostas estão minhas participações em vídeos do Pirula (que se encaixariam na opção “Conheci por algum canal do YouTube”), indicação de Luíza Caires, ligada ao projeto Ciência USP (que encaixaria na terceira opção mais votada), e recomendações de outros produtores de conteúdo em YouTube e podcasts, como Sabrina Fernandes (Tese Onze) e Filipe Figueiredo (Xadrez Verbal).


EPISÓDIO FAVORITO

028 Guerra do Paraguai – 5,8%
029 Segunda Guerra Mundial – 5,3%
041 Revolução Russa – 5,1%
026 Revisionismo Histórico – 4,5%
035 História como ciência – 4,4%
032 O que é fascismo? & 013 O fim da União Soviética – 4,2%
003 Revisionismos sobre a Ditadura Militar – 4%
027 Orientalismo & 034 Aviadoras soviéticas – 3,4%

Como todos os 46 episódios lançados até então estavam na votação e apenas um poderia ser votado (a pergunta começou como obrigatória, mas mudou para opcional atendendo pedidos logo nas primeiras horas), a porcentagem de cada episódio é bem pequena. No entanto, os dez mais votados estão na lista acima. Surpreende a presença de quatro episódios sobre teoria, metodologia e historiografia na lista, uma vez que nem sempre as audiências desse tipo de programa são boas. Vale notar os dois empates, entre os episódios “O que é fascismo” e “O fim da União Soviética”, com 4,2% e entre os episódios “Orientalismo” e “Aviadoras soviéticas” com 3,4%.


DURAÇÃO MÉDIA DE EPISÓDIO PREFERIDA

Até mais ou menos 1h30 – 42,6%
Até mais ou menos 2h – 26,8%
Até mais ou menos 1h – 18,7%
Mais de 2h – 11,9%

Esse é um dado que precisa ser lido com certa cautela. Embora o resultado dê a entender que episódios mais longos são favoritos pela maioria do público, os dados de retenção do Anchor para cada episódio apontam que episódios longos tendem a ser abandonados com sua execução no decorrer de sua duração. Levando em conta que os dados do Anchor são relativos a todos os ouvintes e os dados da pesquisa são relativos apenas aos que quiseram responder (e souberam que a pesquisa existe), é de se supor que as respostas tenham vindo apenas dos ouvintes mais assíduos e dedicados que ouvem os episódios em sua totalidade, ou a maior parte deles. Logo, ele é um dado interessante, mas não pode ser levado a ferro e fogo quanto a satisfação do público.

PREFERÊNCIA NAS ENTREVISTAS

Prefiro quando a conversa é com um(a) convidado(a) só – 58,5%
Prefiro quando a conversa é com dois/duas convidados(as) – 41,5%

A discrepância entre as duas opções não foi significativa o suficiente para causar nenhuma grande reflexão sobre este ponto em particular. Por questões técnicas, conversar com um(a) convidado(a) é muito mais fácil, mas em alguns casos ter duas pessoas ajuda, especialmente quando os focos dos convidados no tema do episódio são distintos e se complementam.


GRAU DE DIFICULDADE

Você costuma compreender a maioria das conversas com facilidade, salvo exceções – 49,4%
Você compreendeu todos os episódios com relativa facilidade – 44,6%
Você costuma compreender as conversas e assuntos, mas com alguma dificuldade – 5,3%
Você tem muita dificuldade de entender os assuntos e conversas – 0,4%
Você considera o História FM muito complicado para o seu entendimento – 0,3%

Este foi um resultado que surpreendeu. Embora eu esperasse que uma boa parcela do público votasse nas duas primeiras opções, não esperava que a discrepância seria tão grande. Outra questão a respeito dessa pergunta é que, fazendo um mea culpa, as duas últimas opções não foram bem explicadas. A ideia é que a penúltima fosse focada em quem ouve, mas tem muita dificuldade, enquanto a última seria focada em quem até tentou ouvir, mas desistiu por ser difícil demais. Isso precisava ter ficado mais evidente na escrita das opções.


TEMAS/ÁREAS QUE GOSTARIA DE VER MAIS NO PODCAST

História da América Latina – 64,8%
História da África – 55,9%
História contemporânea – 51,5%
História da Ásia – 49,5%
Brasil Republicano – 41,6%
Teoria, metodologia e historiografia – 40,5%
Brasil colonial/América portuguesa – 39,1%
História Moderna – 35,1%
História Antiga – 32,7%
História Medieval – 31,9%
Brasil Monárquico – 28,9%

Esse resultado requer dois comentários para ser melhor compreendido. O primeiro deles é que, ao contrário da maioria das perguntas dessa enquete, o público pode votar em múltiplas alternativas, não apenas em uma, o que explica as porcentagens. O segundo é que eu desconfio de que uma parcela das pessoas que não votou na opção “Brasil Monárquico” talvez não o fez por achar que ela diz respeito à histórias da família real brasileira, quando na verdade a nomenclatura “Brasil Monárquico” é usada na academia para se referir à História do Brasil durante período entre 1822 e 1889, não apenas da família real. Logo, supondo que essa hipótese seja correta, é provável que a porcentagem de votos fosse maior caso as pessoas tivessem compreendido o tema.

SOBRE SABER QUE TEMOS OUTROS PODCASTS

Sim 88,5%
Não 11,5%

A despeito de divulgar incessantemente os nossos outros podcasts em todas as redes sociais e no História FM, além de ter divulgado algumas vezes no canal do YouTube, mais de 11% do público que respondeu – que, repito, provavelmente é o público mais assíduo – AINDA não sabia da existência de outros programas. Esse dado é um indicativo importante de como as divulgações em redes sociais e afins encontram uma série de limites difíceis de se superar.

Ainda sobre essa questão, pedi que os votantes marcassem quais podcasts do selo conheciam (podendo selecionar mais de uma opção). O resultado foi o seguinte:

Estação Brasil – 70,8%
Colunas de Hércules – 66,9%
História Noturna – 60,2%
Historiconomia – 57,4%
Não conhecia nenhum deles – 14%

O número de pessoas que conhece cada programa difere, como era esperado. No entanto, é curioso perceber que a porcentagem de pessoas que não conhecem os programas é maior do que o número de pessoas que afirma não saber que tínhamos outros podcasts, o que demonstra que uma pequena parcela do público, embora saiba da existência de outros programas, não os conhece sequer por nome, apesar da incessante divulgação nas redes sociais e menções constantes nos próprios episódios do História FM, normalmente no segmento de comerciais e encerramento.


O PÚBLICO CONHECE NOSSAS PLAYLISTS NO SPOTIFY?

Não 69,1%
Sim 30,9%

As playlists no Spotify foram divulgadas apenas algumas poucas vezes no Twitter, Instagram e Facebook. O vasto desconhecimento delas por parte do público já era esperado. O mesmo ocorre com o resultado da pergunta abaixo sobre o canal no Telegram (que foi divulgado mais de uma vez no podcast).

O PÚBLICO SABE DA EXISTÊNCIA DE NOSSO CANAL NO TELEGRAM?

Não 59,6%
Sim 40,4%

O HISTÓRIA FM JÁ AJUDOU A FAZER ALGUM TRABALHO/PROVA? (apenas para estudantes)

Não – 38,6%
Sim, no Ensino superior – 34,8%
Sim, em outros contextos – 22%
Sim, no Ensino Médio – 8,5%
Sim, na Pós-graduação – 3,5%
Sim, no Ensino Fundamental – 0,6%

Essa foi uma das perguntas não-obrigatórias, e seu resultado ficou dentro do esperado: uma proeminência de respostas negativas, seguida de uma maioria de respostas sobre ter ajudado no Ensino Superior, e uma porcentagem muito baixa para Ensino Fundamental.


JÁ USOU O HISTÓRIA FM COMO MATERIAL DIDÁTICO? (Apenas para professores)

Não – 61,5%
Sim – 38,5%

JÁ USOU EPISÓDIOS DO HISTÓRIA FM PARA PREPARAR AULAS OU SE ATUALIZAR?

Sim – 80,6%
Não – 19,4%

Podcasts são ferramentas complicadas para se usar como material didático dentro de sala de aula, salvo textos. Logo, o resultado sobre o uso do História FM como material didático ficou dentro do esperado, mas o resultado da segunda pergunta foi uma surpresa. Foi gratificante ver em dados que o podcast tem ajudado professores e professoras pelo Brasil, uma vez que estes são um dos principais públicos-alvo do programa.

RESPOSTAS POR ESCRITO

Como dito no começo do texto, além das perguntas de múltipla escolha tivemos também perguntas cujas respostas foram escritas por extenso: uma exclusiva para estudantes e duas exclusivas para professores. As respostas abaixo foram algumas das que considerei mais emblemáticas e motivadoras, e gostaria de compartilha-las anonimamente ao final dessa pesquisa. Não seria possível colocar todas as respostas, uma vez que foram centenas, e muitas delas bastante similares (entre os estudantes, tivemos muitas respostas referenciando episódios sobre Teoria da História, por exemplo). Alguns dos destaques seguem abaixo.

RELATOS DOS ESTUDANTES

“Foi bom para se ouvir durante essa pandemia sobre o período medieval, já que não pude fazer a aula por motivos internet.”

“Atualmente estou estudando para o vestibular, o História FMe ajudou a entender mais profundamente assustos que tive durante o Ensino médio e me trouxe repertório para o desenvolvimento de redações.”

“O episódio “O que é FACISMO” . Foi muito útil em um dos trabalhos do estágio em que eu tive que realizar uma série de planos de aula para o Ensino Médio.”

“Nesse ano de 2020, os episódios do Historia FM envolvendo História Antiga, Teoria e Historiografia foram bastante úteis, pois nesses meus dois primeiros semestres ocorreu uma convergência entre alguns desses episódios com minhas disciplinas.”

“Acredito que os episódios são fantásticos como introdução a temática abordada. Quando tenho algum trabalho na qual o tema já foi abordado pelo História FM eu escuto-o para ter um panorama mais geral e depois dou uma olhada nas referências apresentadas no episódio.”

“Nossa, agora mesmo kkkkkk estou no penúltimo período do curso, ainda perdida com a matéria de TCCI, o professor não ajuda muito e seu ep 44 sobre a pesquisa histórica me deu alguns nortes. Seu canal no YouTube me ajudou inúmeras vezes a entender o conteúdo e a conseguir fazer provas com excelência, indico sempre, é maravilhoso. Você é um grande incentivador da História, uma grande parte dos canais sobre usam a História como se fosse curiosidade, você a apresenta como Ciência. Não sei se me expressei bem, mas é isso.”

“Os eps. sobre Guerra Fria com o prof. Sidnei Munhoz me ajudaram com o debate historiográfico sobre a Guerra Fria que fiz no meu TCC.”

“O episódio sobre E.P Thompson ajudou bastante a conhecer o autor para apresentá-lo para turma durante meu seminário da disciplina historiografia.”

“Sou estudante de história da arte e o episódio sobre historiografia me ajudou a compreender algo que não tive contato. Outro exemplo de ajuda foi o ep sobre Guerra de Tróia para a cadeira de Iconografia Profana.”

“O episódio sobre historicismo foi muito útil para um melhor esclarecimento do conteúdo que vinha sendo estudado na graduação.”

“Comecei uma pesquisa sobre Integralismo por causa do episódio do História FM. Pretendo trabalhar o tema no mestrado.”

“O episódio sobre E. P. Thompson foi bastante útil quando fazia pesquisas sobre o autor para a apresentação de um texto dele em uma disciplina da pós-graduação.”

“O episódio sobre historiografia e metodologia me ajudou a cobrir alguns pontos que as matérias inciais da faculdade deixaram abertos.  Quando eu preciso fazer um trabalho sobre algum tema no qual eu não tenho muita familiaridade eu costumo voltar em episódios passados como uma forma de introdução.”

“Sou caloura do curso de História na Universidade Federal de Uberlândia, ou seja, ingressei no início de 2020, mal tive aulas presenciais. As aulas de Introdução à História via ensino remoto foi complicado, mas, sem dúvidas, o episódio sobre historicismo ajudou muito a compreender as correntes de pensamento do século XIX. Além disso, outros episódios foram muito importantes para a minha compreensão acerca de debates e conteúdos da área de história. Sou muito grata pelo podcast! Trabalho fenomenal.”

“Não sei se minha situação se enquadra, mas estou estudando para concursos na área da Diplomacia e episódios como o mais recente sobre a Guerra Fria constituem um panorama muito completo sobre os eventos mais relevantes do período. O conceito de segunda guerra fria, por exemplo, está entre os que pude compreender melhor.”

“Fiz um período de história na UVA e o episódio sobre as escolas historiográficas me ajudou a complementar o trabalho, porém tranquei a faculdade porque não achava o curso muito bom mas espero conseguir continuar em outra universidade, enquanto isso os episódios me ajudam a continuar os estudos e manter contato com a história.”

“Os episódios sobre feminismo e o sobre caça às bruxas me ajudou escrever o capítulo teórico da minha dissertação.”

“O episódio do revisionismo da ditadura foi essencial para me ajudar a elaborar um trabalho sobre parlamentarismo no Brasil, elaborado para a disciplina de Direito Constitucional, além de alguns detalhes sobre o que de fato aconteceu nesse período.”

“Estou cursando história, após cursar ciências políticas, e estava com alguma dificuldade de entender os conceitos das escolas teóricas. O podcast me ajudou muito a compreender de maneira mais simples a evolução da historiografia e a realização dos trabalhos da disciplina.”

“O episódio sobre o Historicismo me ajudou a encontrar um “norte” na reflexão sobre as escolas do século XIX. Sobretudo o programa com o Júlio Bentivoglio, em que me levou a entender um pouco mais dessa mudança das escolas do século XIX até os Annales.”

“Sou graduado em Artes Visuais e este ano passei em mestrado em História Social na Uel. Em 2020 fiz duas disciplinas como aluno especial, para ver se ia tentar no final do ano esse mestrado. Como sou de outra área, comecei as disciplinas bem confuso e não entendendo quase nada. Então, achei o canal de vocês no YouTube através duma indicação e comecei a ver vários vídeos sobre teoria e temas relacionado as disciplinas, que eram Impérios Ultramarinos e História e literatura. Posteriormente descobri o podcast e foi melhor ainda, pois além dos temas históricos, tinha bem explicado as teorias, nas quais tinha muita dificuldade. Com os vídeos e o podcast passei a ter um gosto maior por história e ter a certeza que o meu futuro acadêmico seria em História Social, além claro, de ajudar nas disciplinas que fiz. Por isso, fica aqui meu muito obrigado pelo conteúdo de vocês, que tanto me ajudaram.”

“O episódio acerca da revolução russa me ajudou bastante para abrir os horizontes no entendimento do tema para a realização de uma prova no Ensino Médio.”

“Sobre revisionismo acerca da ditadura, sobre a ditadura no Brasil, sobre Guerra Fria e os episódios teóricos sobre historiografia e pesquisa em História. Foram essenciais para a conclusão das minhas pesquisas de Iniciação Científica e têm me ajudado muito na construção do projeto de mestrado. Também me ajudaram na elaboração dos planos e textos de aula para os estágios.”

“Não foi útil para um trabalho em particular, mas os episódios ajudam a me dar um panorama de futuro estudos e temas que não conheço e pretendo me aprofundar. Os episódios sobre Orientalismo e Thompson, por exemplo, colocaram esses autores em listas de leituras futuras. Eles funcionam como cursos introdutórios já que muita coisa não é abordada na faculdade.”

“Como coordenador do Centro acadêmico de geografia , fiz um evento virtual e convidei pessoas que já foram convidados do podcast, como de zumbi e palmares.”

“O episódio sobre a Lei de Acesso a informação me mostrou como conseguir informações para o meu tcc que eu estava tentando descobrir há muito tempo sem sucesso. Depois de escutar eu usei a lei e deu certo!”

“Curso Medicina e o conhecimento acerca de múltiplos contextos históricos me auxiliou em diversas atividades de saúde coletiva, de sociologia e de história da medicina e psicologia.”

“Os episódios sobre Revisionismo e Revisionismo da ditadura me ajudaram em uma matéria na Unicamp sobre Objetividade e Falsificação na História. Os episódios me ajudaram em meu trabalho final que analisa o Revisionismo da Folha de São Paulo sobre a Ditadura militar no Brasil nos artigos da “Ditabranda” e “Ditadura à Brasileira” do Marco Antonio Villa.”

“Foi sensacional. Seu canal e seus podcasts me ajudam TANTO que você não faz ideia… O professor deu nota máxima e disse que estava muito completo ( peguei 80% das informações nos podcasts)”

“Na faculdade. Existia uma dificuldade na clareza de estudos sobre teoria e pouca discussão para assuntos além do exposto na aula. Conhecer toda a equipe do Leitura ObrigaHISTÓRIA e História FM junto ao Icles e colegas (indicações que eu vi no seu canal) na internet foi um dos maiores achados na minha graduação e me ajuda na formação enquanto professor/historiador.”

“No semestre passado estava cursando Teoria da História e o episódio 35 foi de extrema ajuda para que eu realizasse os trabalhos pedidos nessa disciplina.”

“Sobre a guerra do Contestado, o episódio me ajudou bastante em Brasil primeira república pois fizemos um trabalho específico sobre os movimentos messiânicos”

“Sobre Historiografia e Teoria da História, pois estes conteúdos são mais complexos para uma rápida compreensão. Dessa forma, os episódios ajudaram a esclarecer vários pontos que eu não tinha muita clareza. Além disso, são ótimos para revisões.”

“O episódio sobre a Guerra da tríplice aliança contra o Paraguai ajudou-me na melhor compreensão na minha pesquisa de iniciação científica, na qual trabalho com a parte meridional da província de mato grosso, a área invadida no conflito (Corumbá), o episódio me ajudou em entender as dimensões do conflito em âmbito macro e micro sendo refletidas na região de estudo.”

“Estou concluindo o terceiro período em História. Durante a matéria de Teoria e Metodologia III, o episódio sobre Historicismo caiu como uma luva para a compreensão e elaboração de uma atividade. Foi um episódio relativamente curto, mas que ajudou a esclarecer e expandir o conteúdo de alguns dos textos da ementa. No mais, continuem o excelente trabalho ;)”

“Conhecer bibliografia novas, procurar as teses dos convidados geralmente é muito útil também. O diálogo ajuda a compreendermos o debate e raciocinar centos cenários e conceitos de maneira que não tínhamos pensado até então.”

“Ouço sempre como introdução a algum assunto que quero começar a estudar. Acho que a partir dos episódios consigo direcionar melhor meus estudos e ficar atenta a alguns detalhes que, as vezes, por imaturidade teórica, eu não teria capacidade de observar ainda. “

“Episódio do Lawrence da Arábia me ajudou a fazer um trabalho de 1° guerra mundial diferente dos meus colegas, ganhei pontos positivos do professor por isso. A do barão vermelho também ajudou muito.”

“Não especificamente, mas conhecimento pra vida. Gostei bastante do episódio das aviadoras soviéticas e da simpatia do entrevistado. Pretendo adquirir o livro. No geral, eu sou graduando em antropologia e não me considero uma pessoa muito inteligente, então tenho minhas dificuldades, mas quero elogiar nesse último episódio, que o professor fala devagar e de um jeito peculiar (que gostei bastante) diferente de outros que falam mais rápido. Ajuda bastante pra compreender, especialmente quem tem o raciocínio mais lento. Aí a gente pode ate pensar que o podcast podemos voltar e tal, mas são tantos que escuto e às vezes nas tarefas com água, que fica difícil…”

“Acabei de entrar no curso de História na UFMG e os episódios sobre metodologia e pesquisa estão me ajudando muito a entender como funciona a pesquisa histórica.”

“Por já ter ouvido sobre o tema no podcast, consegui separar e organizar bem os tópicos do assunto antes de começar a pesquisa. Meu grupo foi o único a entregar o trabalho antes do final do prazo.”

RELATOS DOS PROFESSORES SOBRE USO COMO MATERIAL DIDÁTICO
“No cursinho em que dou aula, indiquei para os alunos, além de alguns vídeos do canal, o episódio sobre o Fim da União Soviética como complemento da aula. Devido a pandemia, fiquei fora de sala esse ano, mas com certeza, muitos dos episódios lançados utilizarei no futuro, principalmente o último sobre a Guerra Fria.”

“Usei como ponto de partida para o uso da didática em sala de aula e fiz também o uso da bibliografia apresentada no episódio. Apenas com a leitura, eu não teria o contraponto e o complemento que o episódio me ofereceu.”

“Ao final das aulas sempre indico filmes, obras de artes e outros relacionados ao tema. Passei a incluir episódios do podcast também.”

“Compartilhei o episódio da Segunda Guerra, Guerra do Paraguai e Guerra de Secessão com meus alunos durante a pandemia.”

“Usei algumas informações base apresentadas e recortei perguntas e falas direcionando para os alunos na busca por entender os conhecimentos prévios às aulas e pós o conteúdo debatido”

“Indicação como material complementar assíncronos para as aulas remotas.”

“Como atividade à distância, com o terceiro ano do ensino médio, passei trechos de”minuto tal, até minuto tal” e pedi um relatório aos alunos do que eles entenderam. Assim pude fazer uma avaliação diagnóstica do que sabiam ou não sobre o tema. fiz isso com o episódio da Revolução Russa e da Segunda Guerra”

“Envio questões e peço para que alunos respondam baseado no podcast, e façam relatórios.”

“Fiz uma sequência didática acerca das mídias digitais para fins científicos. Selecionei alguns Podcast, pedi que os alunos ouvissem e anotassem o que havia chamado atenção, todas as anotações eram compartilhadas no Google Docs; as discussões eram realizadas uma vez por mês . No final, os alunos deveriam produzir podcast sobre alguma temática estudada ao longo do ano letivo.”

“Utilizei muitos episódios como referências para planejamentos de aula, seja para exposição/ explicação/ debate dos conteúdos, assim como as diversas fontes apresentadas, muitas novidades para mim, fato que contribuí não apenas para minha formação enquanto professora, mas também para a qualidade do ensino de História. Indiquei alguns episódios aos meus alunxs durante o ensino remoto, apresentando como uma nova forma de se aprender e discutir temas históricos.”

“Recomendação para que os alunos escutassem qualquer podcast do História FM e anotassem o formato do programa, para que depois eles pudessem criar um podcast em um projeto meu (professor de geografia com uma profa. de história). Foi muito legal porque eles se empolgaram com o formato (EXTRANHAMENTE muitos não conhecem podcasts na rede pública de educação). Foi bacana porque incentivamos os alunos a pesquisarem para a criação de um roteiro para a realização do podcast dos alunos.”

“Peguei os trechos do episódio sobre Hong Kong, baixei, fiz um questionário, espalhei laptops pela sala e pedi que os meus alunos ouvissem os trechos e respondessem o questionário.”

“Os meus estudantes utilizam para preparatório pro ENEM. O retorno que tive foi bastante positivo.”

RELATOS DOS PROFESSORES SOBRE USO PARA ESTUDO E ATUALIZAÇÃO

“Costumo sempre escutar podcasts sobre os temas das aulas ou temas relacionados. Geralmente eu escuto os episódios e anoto eventos citados, fontes primárias, personagens centrais e o argumento geral da/o convidada/o. Então, preparo a aula em consonância com as discussões levantadas.”

“Acredito que todos os episódios ajudaram ou para o aprofundamento, como por exemplo, os de historiografia e o de pesquisa, ou para assuntos que eu não tinha o domínio, como o último. Já os da Antropologia, o do feminismo, e celtas, foram assuntos que realmente eu pude aprender um pouco mais. Sei de amigos que utilizaram os episódios sobre a Ditadura como referência para projetos de pesquisa. Então, com certeza é um excelente trabalho!”

“Eu tenho preferência por história contemporânea, então uso os episódios de história antiga e média pra me atualizar sobre pontos que não tenho domínio.”

“Importante para descobrir novas leituras e teorias através das indicações bibliográficas dos entrevistados.”

“Eu sou professora de língua portuguesa, então acho interessante buscar episódios que me permitam ir além do que é trabalhado em sala de aula. Gosto dos episódios sobre Guerra do Paraguai, Racismo estrutural e Orientalismo porque eles foram muito importantes para eu desenvolver discussões que propiciassem uma análise mais crítica sobre alguns temas, fora do que o material didático deles oferece.”

“Pela rotina corrida, escuto o podcast no transporte público ou em casa enquanto cozinho para imaginar afiar a parte expositiva das aulas.”

“Foi ótimo. Consegui montar aulas inteiras só pelo podcast.”

“Sempre uso os episódios que estão disponíveis para a preparação de aula para tirar dúvidas. O que mais me ajudou para uma preparação de aula pelo fato de termos poucas coisas em livros didáticos foi o episódio da guerra do contestado.”

“Tenho um caderno material de conteúdos por período e tópicos que vou sempre atualizando e remodelando minhas aulas e reflexões, ouço os podcast e invariavelmente sempre acrescento alguma(s) folhas com conteúdos adicionais que acrescentará pra uma aula a ser planejada.”

“Primeiramente: atualização ou revisão de bibliografia da qual não me lembrava sobre um determinado tema. Eu sou professor de ensino médio, então passar bibliografia não é meu objetivo primário, mas eu passo a leitura de um conteúdo curricular de acordo com a historiografia, normalmente escolho um leitura consagrada ou parte dela e baseio minha aula. Exemplo idade moderna Perry Anderson Linhagens do estado absolutista e ai ideia de momento de acomodação instável entre antigo regime e burguesia, idade contemporânea e dominação ideológica baseio no Foucault nascimento das industrias, escolas e prisões ou reação dos trabalhadores pela perda do modo de vida tradicional, E P Thompson, escravidão e imigração no Brasil as leituras da Unicamp (até pq foi meu local e tema da minha pós). O canal acaba me ajudando de duas formas: me lembrando/mostrando historiografias que não lembrava ou não conhecia, ajudando a eu estruturar ou reestruturar as aulas, revisar conceitos que não sou tão familiarizado. Acabo pescando tb algumas curiosidade históricas que alunos gostam e uso para ilustrar a aula. Vez ou outra acabo usando alguma critica ou comentário sobre livros de 5º categoria sobre algum tema histórico que está na boca dos alunos, mas que eu não tive paciência ou tempo de ler.”

“Eu usei praticamente todos. Presto muita atenção nos detalhes curiosos e uso eles como forma de captar a atenção do aluno. Os podcasts tem sido um grande aprendizado Continuem.”

“Ouço no carro, para aproveitar o tempo da viagem. Os episódios ajudam a ter ideias para planejar atividades e debates com as turmas de EJA.”

“As indicações de leitura também são muito úteis, especialmente em assuntos que foram pouco abordados em minha formação inicial.”

“Foi muito útil, pois há temas na História que não leio sempre ou que não despertam meu interesse. O podcast trouxe atualizações historiográficas relevantes que enriqueceram minha aula.”

“Foi essencial, minha faculdade tinha enormes déficits em algumas áreas(ex:História Antiga e Moderna) assim, com os podcasts pude pegar referências e achar um rumo para estudar com mais qualidade.”

“Foi muito útil pois as informações serviram para eu tirar algumas dúvidas e confrontar com outras fontes, como o livro didático. Também me ajudou a ampliar a pesquisa bibliográfica sobre o tema. Em alguns casos, as informações também são levadas à sala de aula como curiosidades e ajudam a aumentar o interesse dos alunos.”

“Ouço todos os podcast do canal, considero que é uma fonte de aperfeiçoamento e de aprender o que os pares estão pesquisando. Como tenho interesse em História do Brasil, especificamente, Brasil República, procuro temáticas que fogem da minha zona de conforto. Por exemplo, gostei muitíssimo do episódio sobre a Idade Média: o que você aprendeu errado. Considero o Podcast uma fonte de aprendizado significativo.”

“Na verdade, todos os podcasts servem para atualização, minha graduação terminou em 2003 e o doutorado em 2012 e não tenho tempo para ler muita coisa sobre tudo. Assim, os episódios são muito bons para que eu passe a entender sobre os trabalhos e o estado dos estudos em determinadas áreas. Nesse sentido, é o principal motivo pelo qual eu ouço dos podcasts. Aliás, ótimo trabalho.”

“Em geral, costumo usar/citar informações trazidas pelos pesquisadores, como: questões sobre o contestado, guerra do Paraguai, relações entre ocidente e oriente e guerra fria. As discussões em altíssimo nível dos convidados me ajudam a contextualizar processos históricos espacialmente, já que trabalho com a disciplina de geografia.”

“Sou professora recém formada, apaixonada pelo ensino de história. Acompanho todos os podcasts, já acompanhava o antigo canal e tive a oportunidade de acompanhar e aprender com o Prof. Icles em palestras sobre o projeto. Acredito que os podcasts contribuem na formação não apenas de acadêmicos do curso de história, de professores, mas também impactam os estudantes. Eles proporcionam aos ouvintes diversas temáticas, nas quais se apresentem novas discussões e fontes que podem ser trazidas para debate tanto na faculdade como na sala de aula com os estudantes do ensino básico. Minha experiência ao utilizar os podcasts em sala de aula foi muito positiva, por ser uma ferramenta que muitos alunxs já conhecem e consomem, conversa com a realidade de alguns e apresenta outras formas de ensinar e aprender História. Destaco aqui o grande auxílio do Colunas de Hércules na preparação das minhas aulas sobre História Antiga, período histórico que não tenho muita afinidade. O Estação Brasil é simplesmente maravilhoso. História do Brasil é o tema que tenho mais interesse, principalmente o período republicano. O história FM também é fantástico, no geral todo esse projeto contribuí muito na minha formação como historiadora/ professora, só tenho a agradecer e desejar sucesso.”

“Trabalho em uma escola militarizada, por isso não posso utilizar os episódios na íntegra por medo de represália. Mas na preparação das aulas utilizo com certeza, modificando algumas das ironias ou brincadeiras que eu já faria em sala de aula. Não sou da área de história, então alguns assuntos eu preciso sim revisar e estudar a respeito. Me ajuda bastante o material de vocês.”

“Utilizei vários episódios para me atualizar e preparar aulas. Destaco o episódio sobre a Idade Média, pois não é uma tema que me desperta grande interesse. Na graduação e mesmo após formado não me dediquei a estudar o tema. Senti e sinto essa lacuna (dentre tantas outras) na minha formação e consequentemente nas minhas aulas na educação básica. O episódio me ajudou a abordar o tema sob novas e diferentes formas, me senti mais seguro e confortável em dar aulas sobre e creio que minhas aulas sobre o tema/período melhoraram. O tema/período da Idade Média segue não sendo o meu favorito, mas como professor não posso me dar ao luxo de estudar e trabalhar apenas com o que gosto. Também tenho uma carga horária de trabalho elevada e maçante, trabalho em duas escolas públicas que se localizam em um município vizinho ao que resido, portanto não tenho muito tempo para ficar lendo livros (fica para as noites ou madrugadas). Os podcast me ajudam muito, escuto os episódios no carro enquanto dirijo pro trabalho, caso acho necessário em casa escuto pela segunda vez, para anotar algumas dicas, informações e sugestões. Teu trabalho é excelente! Parabéns e muito obrigado!”

“Carga horária de trabalho é extensa, falta tempo para preparar/relembrar tópicos importantes, daí uso o podcast (que consigo escutar no ônibus e enquanto faço outras obrigações) para relembrar. Aproveito para agradecer o material de qualidade. Obrigado mesmo.”

CONCLUSÃO

Em geral, os resultados não chegaram a ficar tão longe do que era esperado. No entanto, para quem produz conteúdo é importante ter uma noção mais precisa desses dados. Uma coisa é saber de algo por soar óbvio; outra coisa é saber a partir de dados, relatos e informações mais precisas. São esses elementos que nos dão uma noção mais aproximada do impacto, seja ele positivo ou negativo, do que é produzido. É, sem dúvida nenhuma, motivador, mas não apenas para mim. Sei que uma parcela muito significativa do público torce pelo sucesso do História FM e fica genuinamente feliz com nossas conquistas e vitórias. Mais do que isso, sente que faz parte de uma comunidade de pessoas interessadas em História, tendo o podcast como uma espécie de elo.

Por fim, espero que essa lista, todos esses dados e os relatos selecionados possam, também, ajudar em pesquisas futuras que usem o História FM como objeto, sejam elas artigos, TCCs e quaisquer outras formas de pesquisa na área de História Pública.